7 de set de 2015

Resenha: Anjos & Demônios

Foto: Divulgação


Hey! Tudo ok com vocês? Eu estou com meu coração partido porque sinto que nunca mais vou ler um livro no estilo de Anjos e Demônios. Sério, o enredo do livro faz muita falta na minha vida. Como disse no post anterior, eu sou mega curiosa e amo essas coisas que são sobre o passado da humanidade, e os segredos que tudo isso esconde. E o livro supre todas essas minhas pequenas paixões. O tema central são os Illuminattis! Preciso dizer mais alguma coisa? Vamos a resenha. 

Anjos e Demônios conta a história de Robert Langdon, um professor de Simbologia de Harvard, que é chamado pelo CERN (Organização Europeia de Pesquisa Nuclear)  com urgência por um simples fax: a imagem de um peito humano marcado a fogo com a palavra "Iluminatti". E como se não bastasse isso ser suficientemente estranho, Robert percebe que a palavra marcada é um perfeito ambigrama, ou seja, uma palavra que vista ao contrária continua sendo legível. E então ele recorda a lendas das sete marcas Illuminattis, e diz a si mesmo que aquilo é impossível. "Mas os Illuminattis estão mortos faz séculos". E então, Langdon acaba se aprofundando mais na história daquela marca e vê que o buraco é bem mais embaixo.

O livro é simplesmente genial. Eu precisava começar a resenha dizendo isso. Mas claro que, Dan Brown é um escritor comercial, e os temas polêmicos são abordados com o intuito de causar e vender. Mas como disse o Bubarim: "Ah se todos os escritores comerciais fossem como ele!". Porque mesmo assim, Brown não deixa de ser genial. Ele mistura ficção e realidade de uma forma que você acaba acreditando nas mentiras do ficção da estória por causa da lógica perfeita que ele usa com seus personagens e com o enredo de cada livro. 

Quando estava escrevendo essa resenha, tentei fazer um resumo sem spoiler do livro mas perderia a graça toda do livro. Porque o incrível da estória e de toda a narrativa é que a cada capítulo você tem uma nova surpresa. Ele te dá perguntas, dá respostas, dá suposições e então você não quer nunca mais largar os livros. E falando nisso, os capítulos são muito curtos e acho que a forma com que Dan construiu cada capítulo é bem interessante, porque eles são rápidos e por serem rápidos, tem muitos e cada um tem uma surpresa diferente e então você vê que o livro, em momento algum, cai naquela monotomia. Sabe? E também a história toda do livro se passou em apenas um dia! Como ele conseguiu uma história dessas narrando apenas um dia? 




É um livro com MUITA informação. Você tem, praticamente, uma aula de história a cada explicação de Robert Langdon pelos lugares que eles passam pelo Vaticano. E eu simplesmente amei isso. Ele conta a história da Igreja Católica, as tradições, sobre a arquitetura das igrejas, sobre as obras e Igrejas feitas por tal pessoa, em tal época, e porque daquilo... É, praticamente, uma aula de história. E é maravilhoso ler. Claro que, nem tudo ali é verdade, mas a base dele são os fatos reais. Até minha professora de história gosta dos seus livros, mas também diz que é sempre bom fazer uma pequena pesquisa antes de confiar fielmente nas palavras de Dan Brown.

De forma alguma o livro é cansativo, ele apenas te faz querer mais e mais. Quando comecei a ler não tinha muito tempo, e olha que eu comprei na Páscoa, e então eu fui terminar de ler nesse último mês e não larguei o livro. Sério, eu perdia a estação do metrô que eu tinha que descer porque estava lendo. E fazia tempo que um livro me prendia dessa forma. 

Tem curiosidade de saber quem foram os "verdadeiros" Illuminattis? Então o livro é pra você. Vivo lendo teorias conspiratórias e quando li o livro, vi que os Iluminattis de "antigamente", ou seja, a origem deles, é muito diferente do que essas teorias dizem. Só uma coisinha: no passado, essa sociedade secreta foi feita para cientistas discutirem ciência sem a Igreja os caçarem. Ou seja, eram ateus. E se eram ateus, como podiam ser satânicos? Como dizem as teorias por aí. Fiquei abismada quando descobri.

E então existe a Igreja da Iluminação, suposto lugar aonde a anti-matéria estaria, e até chegar lá, teria os quatro marcos, denominados O Caminho da Iluminação, onde cada um dos preferitti seriam mortos, e marcados á fogo pelos Iluminattis. E com isso, Robert e Vittoria Vetra, tentam encontrar essa caminho secreto antes da sociedade secreta matarem os tais homens indefesos. E a lógica de qual caminho que deve ser seguido, qual pista seguir, onde esta cada marco... É incrível. 

Filme X Livro 



Essa é uma das únicas, ou a única, em que eu digo: veja o filme antes. Porque o filme, sem ligação com o livro, é muito bom. O enredo dele, os atores, os lugares aonde são filmados, o ritmo do filme, as reviravoltas, as cenas... São muito boas. É um filme aonde você assiste sem tirar os olhos da tela. Eu realmente indico.

Poreeeeeeem, se for para falar da fidelidade ao livro, chega quase a ser um Percy Jackson. Sim, MUITA coisa é mudada. E eu realmente não sei o porque. Talvez porque as pessoas que iriam ler o livro depois do filme veriam elementos diferentes e mais completos do que o filme mostrou, e então não teria um queda de interesse no livro. Não sei. Mas mesmo assim, não consegui odiar o filme. 

Personagens são cortados, e são aqueles que fazem diferença no destino da estória! Cenas são mudadas. Muita estória por trás de personagens são ocultadas e que são geniais! Não deveriam ser cortadas de forma alguma. E acho que o final foi a parte mais modificada e ocultada de todo o livro, ou então, da história da modificação de livro x filme. Porque toda a explicação por trás, e a maior reviravolta do livro, esta nas últimas páginas. Um reviravolta do tipo que você sente pena do vilão! E esse vilão... Nunca ninguém desconfiaria de como tudo é arquitetado. 



Li o livro quando já tinha visto o filme, e fiquei "Meu Deus! Então foi nesse momento que tal coisa aconteceu...". Foi como se eu visse a história de um novo ponto de vista. E mesmo sabendo a história toda, o livro ainda me surpreendeu demais. Me passou muita emoção. O suspense criado é incrível, e você morre de angustia ao ver que o tempo esta acabando. Genial. O livro e o filme tem os mesmos clímax, o mesmo desfecho, mas a forma é diferente. Até porque acho que seria muito difícil e até sem noção fazer o livro fielmente. Porque muitas coisas no livro deixam a desejar no quesito: o mundo todo vê isso, e fica tudo por isso mesmo? Vocês vão saber do que eu estou falando quando lerem.

Falei demais, haha! Bom, finalizando... Leia! Foi um livro que quebrou um grande tabu interno meu. Por causa que os personagens e o enredo gira em torno de religião X ciência, e a forma como o autor mostra que isso não tem que haver uma rivalidade entre esses dois pólos, é incrível. Eu realmente vou levar as palavras de Leonardo Vetra para a minha vida. Porque é do modo dele que eu enxergo o universo. Como ele vê isso? Contar aqui tira toda a graça! Mas a filosofia usada é incrível. 

"Não perguntei se acredita no que o homem diz sobre Deus. Perguntei se acredita em Deus. (...)
Quando se deita sob as estrelas, não sente a presença do divino? Não sente em seu íntimo que está diante da obra de Deus?"

Não sei mais o que dizer. Sério. Apenas leiam, hahaha. Entrou na minha lista de livros favoritos e espero que entre também na sua. A próxima resenha é da Jessie e de um livro brasileiro. Quer saber qual? Presta atenção que pela semana ela sai. 

Até logo. 
Nos acompanhe nas Redes Sociais

Nenhum comentário:

Postar um comentário